Amor é Amar

Eu o encontrei quando não quis mais procurar o meu amor, como diz aquela música bonita. Desconfio até que tenha sido por esse motivo que o encontrei, afinal é natural do ser humano nunca achar as coisas no momento em que as procura.

Sou, sem dúvidas uma romântica incurável, daquelas bem românticas mesmo, que luta como um cão pra manter um amor vivo, mas também sabe quando deve largar o osso. E por acaso, por alguns dias nublados, eu não só tinha largado o osso em questão como não queria nenhum osso novo. Isso vindo de alguém como eu, era difícil de acreditar, diria até um pouco triste, mas era apenas uma visão racional e pessimista da realidade.
 

Enfrentei um bocado de dias nublados sem acreditar em mais nada até o nosso encontro que pro meu azar, eu não lembro. Maldito seja o álcool e sua capacidade de apagar a memória das pessoas! Ele descreveu o nosso primeiro encontro que na verdade foi o segundo como engraçado e louco, bem típico de mim. E ao longo das nossas conversas até as três da madrugada fui me dando conta de que o nosso encontro era algo que vinha sendo adiado havia muito tempo e pra nossa sorte em uma dia aleatório da semana quando eu fui sem maquiagem pra festa e ele chegou 5 minutos antes dos portões fecharem, o universo conspirou ao nosso favor.
 

Peço perdão por não ter uma história bonita para contar sobre como nos conhecemos, os nossos cupidos são tão atrapalhados que erraram a pontaria nas primeiras oportunidades que tiveram e olha, eu sou imensamente grata a eles por tal feito. Não fosse toda a espera, a recusa inicial, as longas conversas sobre os mais variados temas de nossas vidas, todos aqueles momentos pré primeiro beijo, eu não teria tido a sensação plena que tive no nosso milésimo encontro quando nossos olhares finalmente se cruzaram em silêncio e juntos, meu coração e cabeça disseram ''é ele.''


É ele, tem sido ele desde então, vai ser ele amanhã e depois, arrisco dizer que sempre se o pra sempre existir mesmo. Tudo o que sucedeu nosso primeiro beijo naquela rua escura do meu bairro favorito da cidade só confirmam que é mesmo ele e que por todo esse tempo, eu pulei em definições imprecisas de amor. Não somos um casal perfeito, individualmente não somos perfeitos mas lhes digo com toda a convicção desse mundinho que amor é o que nós temos.
 

Graças ao nosso encontro sei que o amor não adia nada, não espera a melhor hora, a melhor idade e cá entre nós essa tal hora perfeita nem existe. O amor não espera porque ele tem pressa de ser amor, de ser feliz, de dar e receber, de estar vivo todos os dias. O amor supera a maioria das coisas, amor supera todos os obstáculos que tentam o impedir de ser melhor. Tudo que for necessário pro sentimento crescer e amadurecer, o amor faz. O amor passa por cima de todos males em prol de um bem maior, mas não sobrevive nos males na incerteza de um bem. Amor é muito bom pra isso, ele só vive bem onde puder ser feliz nas pequenas coisas agora e nas grandes sempre.
 

Nunca duvide da existência do amor. Amor existe, ô se existe mas ele só existe de verdade mesmo se tiver reciprocidade. Não se ama sozinho, você obviamente vai amar errado se amar sozinho, amor é como futebol, sabe? Só funciona se o time estiver em sincronia e harmonia. Ok, podem ter controvérsias sobre essa comparação, mas é a essência básica. O Neymar não conseguiria fazer muita coisa sozinho contra um time inteiro, por exemplo.

Amor é território desconhecido, não tem receita, bate na porta sem avisar, faz pirraça ... é coisa de louco, de gente corajosa, é um turbilhão de coisas em segundos. É certo e ao mesmo tempo incerto. Complicado. Grato. Feliz. É amor e um dia alguém chega de mansinho ou não, na hora errada que se faz certa, no ceticismo que se faz crença e mostra toda essa sensação. E então você se dá conta de que aquele belo musical estava certo quando disse que a coisa mais importante que se pode aprender é amar e em troca, amado ser.

0 comentários: