O Sorriso Dela

De todas as formas de se apaixonar, a próxima é sempre a mais surpreendente. Todos nós reconhecemos que o cupido age quando menos esperamos e mesmo assim ainda nos surpreendemos com a forma como as coisas acontecem. E é sempre assim. Não adianta, sair de um relacionamento e jurar para você mesmo que não quer mais saber disso, pois você vai virar a segunda esquina e vai tropeçar em um belo par de olhos que vai continuar encontrando pelo resto do dia ou semana. E então você se aproxima dessa pessoa, a conhece, não tanto quanto gostaria, e lá está você, de novo se contradizendo como em  tantas outras vezes. Aconteceu comigo.

Um dos acasos da vida, certamente. Eu, ela e ele. Ele sempre está com ela. Ela sempre com ele. Uma hora, iria esbarrar nele e ele permaneceria de mãos dadas com todos os meus pensamentos. Difícil precisar quando ou como aconteceu, mas lá estava ele, me encarando, acenando pra mim, como alguém que canta ao longe. Canta alto. Canta bem. Arrepia, emociona e eu fiquei com aquela música na cabeça por um longo tempo. Ah, aquele sorriso. Ele ainda faz questão de se unir ao canto dos olhos. Eu olho tentando disfarçar, mas não há disfarce que não escancare tamanho fascínio que sinto por aquele sorriso. O coração acelera. A lembrança vem. Sorrio.



Todos os dias, lá está ele, ela e eu. Mas sou um mero detalhe. Quando ela sorri, não há mais nada que importe. E não há mesmo. Sempre que seu sorriso aparece, espero um milagre em que o tempo pare e lá ele esteja. Assim como em cada pensamento meu. Sorrio. Me perco nas palavras, mas me afogo na vontade de estar sempre tentando fazê-la rir. Como alguém que conheceu a música favorita e só ela faz sentido ser escutada. Se fecho os olhos, a vejo em minha frente, e ele ali, claro, e faço um carinho no seu rosto, no cabelo, passo pelo canto dos olhos, bochecha, até encontrá-lo. Coração grita. Sorrio mais uma vez.

E o processo de ampliação desse sentimento ocorre de forma natural. Há certo receio de que a dona dele perceba, mesmo achando que não tenho como esconder. Motivos que não cabem nesse texto, não tem nada a ver com o que quero e preciso dizer. Seu sorriso ... sua voz que muitas vezes acompanha o sorriso justifica essa honra. Você, leitor, precisa ouvi-la cantando, contando seus sonhos ou explicando o por que das coisas. E ela dança. Como um amante dessa arte, só teria estrutura para vê-la em performances de tango ou algum gênero que não haja sorrisos. Não aguentaria. 

Entre exageros realistas, seu sorriso me ganha o dia. E me ganha, naturalmente. Ela me ganha. Não só me ganha, mas me goleia, como a Alemanha e Brasil, mas me faz sorrir durante o jogo todo. Queria poder compartilhar essa pseudo derrota, um dia quem sabe. Hoje, só há uma certeza, quando ela sorri, pode ter certeza que sorrio junto.

0 comentários: